Auroville: A cidade sem governo, sem consumismo e sem classes

Para quem gosta da loucura das grandes cidades e da tecnologia que, atualmente, permeia todos os momentos da vida cotidiana, parece difícil imaginar um mundo sem posses, sem governo, religião e inovações pipocando diariamente na internet e smartphones. auroville 4Pois um lugar assim não só existe, como se mantém há décadas – é a cidade de Auroville, localizada no sul da Índia, fundada em 1968 e reconhecida oficialmente tanto pelo governo indiano quanto pela Unesco.

Atualmente, duas mil pessoas dividem os benefícios e as tarefas do lugar – mas há espaço para abrigar até 50 mil habitantes. Localizada em um local paradisíaco e repleto de natureza, o prazer e a tranquilidade são os principais objetivos da cidade, mas todos dividem igualmente as funções coletivas, de acordo com suas aptidões pessoais. Cada habitante, aliás, recebe um salário de cerca de R$ 405,00 mensais, valor que é mais do que suficiente para os custos de vida do local e ainda para criar uma reserva para emergências.

auroville 2Autossustentável, Auroville possui uma escola, restaurantes, hospitais, padarias, cinemas e lojas. Carros e trens não são necessários, já que o transporte é feito com motocicletas e bicicletas, e não existe governo – quando uma decisão é necessária, ela é tomada em conjunto com a reunião de um conselho geral e a eleição de membros para resolver problemas pontuais. Religião oficial também não existe – cada um segue o que quer, com a premissa de não incomodar os outros.

Para morar lá, basta querer: cada casa custa cerca de 3 mil dólares e é preciso ter um trabalho oficial, além de contribuir com as funções da sociedade. Depois de um ano – uma espécie de estágio em que os outros moradores decidem se você está apto a permanecer no local –, é só aproveitar os benefícios dessa cidade utópica. E se não for considerado apto, você ainda recebe integralmente todo o valor que investiu.

auroville 3
Crédito fotos: divulgacao

RELATED ITEMS
Informações do Autor

Bruna Borgheti

Jornalista formada pelo Bom Jesus/Ielusc, de Joinville-SC, é acadêmica do curso de Letras da UniCesumar. À frente da redação das publicações do Grupo Dom7, faz a edição e curadoria de conteúdo do site e já teve suas aventuras pelo mundo corporativo, mas gosta mesmo é de um documento de Word em branco. Tem sugestões pra dar? É ela que você está procurando. Entre em contato pelo [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *