Desenvolvimento Humano: um privilégio de poucos?

Nestes últimos dias, fomos informados que o Brasil ocupa o septuagésimo nono lugar no ranking mundial de desenvolvimento humano, sendo que a Noruega lidera essa classificação.

Não nos surpreende nossa nota baixa neste quesito, mas ela nos questiona sobre a incapacidade de nosso país para avançar nesse esforço uma vez que se sabe que o grande obstáculo para melhorias na qualidade de vida da sociedade brasileira é a corrupção.

É difícil compreendermos a desigualdade social e econômica dentro de um país, uma vez que a Constituição Federal garante direitos e deveres para todos. Mais do que isso, a Constituição também assegura a punição para práticas ilegais, o que ganha lentidão na Justiça brasileira.

Por que um país como a Noruega consegue manter-se em situação privilegiada quanto à qualidade de vida em todos os setores? Talvez porque a gestão que respeita a sua constituição presta um serviço à sociedade e não é servida por ela. Países com um índice de desenvolvimento alto compreendem o papel da gestão pública e têm as leis para pô-las em prática. Com certeza é mais fácil pensar sobre os direitos e deveres numa sociedade ética e responsável pela vida humana.

Independente da dimensão geográfica, a renda per capita de um país pode fazer a diferença na distribuição de direitos. Para isso tanto a gestão pública quanto a privada devem estar conectadas com as necessidades sociais e econômicas e investir nos serviços básicos, onde o retorno para a economia é perceptível.

O Brasil tem as condições ideais para crescer e se desenvolver. Com novas frentes de trabalho e novo impulso na infraestrutura do país. Na verdade, as crises econômicas que afetam a vida da população são sinalizadores da gestão deficiente que desacelera o ritmo de produção de tempos em tempos estagnando não só a economia, mas a vida social de uma maneira geral.

Portanto, é possível olhar a Noruega como nossa referência para o desenvolvimento humano, assim como é possível visualizarmos  nossos próprios valores na busca de uma melhor colocação mundial.

Imagem: flickr/Martin de Lusenet

Informações do Autor

Maria Rosa de Miranda Coutinho

Sou mestre em Ciências Sociais pela UFSCar e além da experiência como professora, circulo na área literária com publicações para o público infantojuvenil. Administro uma loja virtual que comercializa livros de autores da cidade de Joinville e sou membro do Conselho Municipal de Políticas Culturais da mesma cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *