Entrada free até 00: a grande festa atual e a importância de questionar

Somos e fomos confrontados por ideais e preceitos, desde sempre. Na história temos “n” momentos de discordância e com maestria sempre soubemos lidar. Hegel com o extermínio da história. Marx com a sua luta de classes. Nietzsche com o eterno retorno. Kant com a paz para sempre. Grandes e importantes filósofos alemães que suas obras mantém-se em constante diálogo com o homem atual, inspirando-o e o redigindo.

Sem eles, não pensaríamos como pensamos. Nem seríamos como somos. Temos exemplos mortos e vivos, sempre soubemos e vamos continuar a saber lidar com discordância, algo humano. Temos prudência e mais que isso, responsabilidades sociais no meio que vivemos. Cresci em Niterói, cercado de boas pessoas que, no máximo marcavam e não iam. Cada um tem sua identidade e contexto social próprio, cada um tem sua libertinagem e lutas ideológicas próprias.

Categoricamente e, não só essencial, nossas lutas não se diferem mas se divergem, criamos e matamos um Voldemort todo dia, algo pessoal, mas que não deixa de ser interpessoal, utilizamos de uma ideia falha de que tudo se encaixa e se enquadra como num perfeito triângulo equilátero, todo mundo quer saber com quem você se deita- é, eu citei Caetano Veloso, mas ninguém quer saber se você tem algo a acrescentar ideologicamente falando.

O debate é necessário, o embate talvez não tanto, mas sabemos que se não houver uma grande Pool Party social, com todos numa mesma onda de pensamento na ruas, o de ouvir e questionar, não vai ter entrada grátis para ninguém até 00:00 na grande festa social inclusiva.

Imagem: flickr/Leon Landmesser

Informações do Autor

jhonatan santos

Estudante de jornalismo

2 Comments
  1. Alberto Torres

    24 de março de 2017 de 20:46

    Perfeito

  2. Maria Karil

    24 de março de 2017 de 20:45

    Muito bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *