Lições do Astrônomo escaravelho, o rola-bosta, sobre a Via Láctea

Assistia a um documentário sobre as inúmeras maravilhas do nosso planeta, quando deparei com o astrônomo mais inusitado do mundo.  Pensei por fim: Qual o recado da natureza? O rola-bosta, mais conhecido como escaravelho, é um besouro sagrado no Egito. Simbolizava o deus Kepra, cuja função era mover o sol, numa analogia ao instinto de empurrar uma bola de excremento, sua principal característica, com a finalidade de reprodução da espécie. Nada mais nobre.

O mais curioso nesse criativo inseto, contudo, é que além de limpar as porcarias dos outros, de ser cultuado como um Deus, ele ainda é astrônomo. Uma das ciências mais complexas do planeta. Em suma, o rola-bosta é uma celebridade.  E sua natureza é ainda mais intrigante.

Para rolar seu montinho de estrume, que recolhe em grande quantidade, com objetivo de formar a “montanha” maior entres seus rivais, precisa levá-la para um local seguro. Como a competição entre os machos é acirrada, tem que ser rápido em descobrir o porto seguro. E para obter sucesso na empreitada, ele se orienta, nada mais, nada menos, através das estrelas da Via Láctea. Isso mesmo. Muito embora não tenha uma boa visão, possui um senso de direção de dar inveja a qualquer cientista da NASA. Ou seja, o besouro é um Hubble na Terra. E ainda por cima contribui para a limpeza do planeta. Ecologicamente corretíssimo. Um verdadeiro show da natureza.

Diversos animais, ditos irracionais, também se guiam pelas estrelas ou pelo magnetismo do planeta, a fim de realizarem funções vitais para sua espécie. São cientistas naturais.

Outra curiosidade interessante é que o besouro astrônomo, no que tange ao seu tamanho, não passa dos 30 milímetros. E o homem, em sua arrogância, apelidou o extraordinário escaravelho de rola-bosta.  Esse apelido deveria servir para outros. Enfim, deixa para lá. No final das contas, Shakespeare é quem tem razão quando disse: Existem mais coisas entre o céu e a Terra do que supõe nossa vã filosofia. E isso inclui todas as ciências exatas ou não. Que o diga o rola-bosta.

O escaravelho parece ser uma das manifestações de um bem humorado Criador. Tipo o engraçado hipopótamo, ou as incríveis baleias cachalote, que vivem nas profundezas mais profundas (redundância proposital) do oceano. Ora, não pode haver vida em condições desfavoráveis? Diz isso para um camelo que fica até 15 dias sem água num calor que beira os 40 graus.

Quando o homem vai aprender essas sutilezas? A soberba, essa gana pelo poder e pelo ter, o cega. As coisas são tão simples na sua complexidade. Mas chegará uma noite qualquer em que a consciência vai lembrá-lo. E esse homem irá se achar ou se perder. A decisão cabe a ele. Se a Inanna de possuir sem limites não o dominar por completo, bastará apenas olhar para as estrelas.

Fontes aqui, aqui e aqui.
Imagem: Emily Baird em Ciência Hoje



                                                                                                               Publicidade
Informações do Autor

Mauro Barbosa Gomes

- Escritor, palestrante e músico da banda Quinta Nota. - Dois livros de crônicas/contos: A Chave do Seu Coração e Olhares. - Faz eventos promocionais com palestras e música em livrarias e Cafés. - Participação na Bienal Internacional do Livro 2016 no Anhembi São Paulo com tarde de autógrafos para “Olhares” , publicado pela Chiado Editora. - Integra a Antologia Poética Além do Céu Além do Mar que reúne poesias de vários autores Brasileiros em 2017. - Autor do Projeto literário Musical "O Tom da Letra" levado há dois anos em bares, restaurantes, etc. - Cronista por dez anos da revista eletrônica InfoWebNews (www.infowebnews.com) - 2001 a 2011 - Dois trabalhos publicados em Antologias literárias vencedoras do Prêmio Porto Seguro de Crônicas em 2008 e de Contos em 2009 - Dois contos selecionados para a Antologia de Contos 2009 do concurso da Editora Guemanisse, em Teresópolis. - Curso de Oficina Literária Afrânio Coutinho (OLAC) – 1992 - Curso de Redação Publicitária - 1987 (Faculdades Integradas Hélio Alonso) Gosto de falar de relacionamentos, cotidiano, a vida em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *