O exercício de um minuto para acabar com qualquer dúvida

Dúvida: grande ou pequena, ela é muito desconfortável, não é? Como uma pedra no seu sapato.

Ainda assim, a dúvida está marcada no seu DNA, e evoluiu para se tornar uma desenvolvedora de potencial. É um gatilho para captar sua atenção, fazer você olhar para os lados e ponderar se está mesmo usando seu tempo e energia da melhor forma possível. Para descobrir se o seu engajamento com as outras pessoas é mesmo produtivo. Você pode usar a dúvida em benefício próprio, mas não se você deixá-la afetar sua autoconfiança, limitar o seu potencial e colocar sua vida em um estado suspenso.

Você não precisa deixar a dúvida impedi-lo de alcançar o que é mais importante para você. Com esse exercício simples de apenas um minuto, você pode transformá-la em uma mola para o autoconhecimento e o sucesso. Veja como.

1 – Qual, especificamente, é a sua dúvida?

Primeiro, pergunte-se se o que você está sentindo é realmente indecisão. Por vezes, é apenas medo, ou um cansaço extremo. Considere: você está realmente duvidando “daquela” pessoa, projeto, ou decisão estratégica? Ou você simplesmente precisa de um tempo e de alguma perspectiva para recuperar o foco? Ela é a primeira que se vai quando você está se sentindo exausto e sobrecarregado.

Sente-se com a sua dúvida e descubra o que realmente está causando a hesitação.

2 – Ganhe clareza

O melhor antídoto para a dúvida é ter mais informação sobre o que ela envolve. O que você precisa entender melhor? O que parece estar fugindo do controle ou se transformando? Localize-o, analise-o. Identifique o que incomoda você em cada opção, e entenda melhor os benefícios e malefícios de cada uma delas. É assim que se ganha clareza.

3 – Quem pode te ajudar com isso?

Perspectiva, opções, escolhas: quem pode te oferecer tudo isso, ou então conhece alguém que possa? Encontre alguém que possa te ajudar a ponderar todas as suas alternativas, e fale com ela. Permita-se fazer perguntas até que você esteja satisfeito, e a dúvida comece a se transformar em empolgação.

4 – E se você perder tudo?

O problema da dúvida é que muitas vezes temos medo (e, mais uma vez, o que existe é o medo, não a dúvida) de optar pelo que realmente queremos e, logo depois, tudo dar errado. Nesse ponto, é a hora de se perguntar: e se você realmente perder tudo, o que você ainda vai ter? Primeiro, muito mais experiência. Depois, ainda vai manter todo o seu conhecimento, a sabedoria adquirida, sua história, sua ética e seu otimismo. Mesmo que todo o seu dinheiro se vá, mesmo que a sua família escolha um caminho que não inclui você, tudo isso permanece. E, principalmente, todas as conexões pessoais que você conquistou enquanto trilhava esse caminho, e as pessoas que realmente se importam com você. Portanto, perceba, “tudo” e “nada” são conceitos muito relativos. Permita-se ter uma nova perspectiva.

Traduzido e adaptado de Inc.com
Imagem: Laszlo Nagy HU

Informações do Autor

Bruna Borgheti

Jornalista formada pelo Bom Jesus/Ielusc, de Joinville-SC, é acadêmica do curso de Letras da UniCesumar. À frente da redação das publicações do Grupo Dom7, faz a edição e curadoria de conteúdo do site e já teve suas aventuras pelo mundo corporativo, mas gosta mesmo é de um documento de Word em branco. Tem sugestões pra dar? É ela que você está procurando. Entre em contato pelo [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *