O melhor para o seu negócio: amar ou se importar?

“Eu quase ia dizer para você fazer o que ama, mas não é bem assim. As pessoas mais felizes e bem-sucedidas não amam o que fazem. Elas são obcecadas em resolver algo que importa a elas” – Drew Houston, fundador do Dropbox. 

Esta frase do fundador do Dropbox resume bem aquilo que algumas pessoas confundem no momento de interpretar frases como a de Confúcio: “Escolha um trabalho que você ama e você nunca terá que trabalhar um dia sequer na vida”.

Muitos pensam que devem escolher um trabalho que não tenha dificuldades, pois quando tem dificuldades significa que não é o trabalho ideal.

Ledo engano.

Mesmo amando o que se faz, temos muitas tarefas que são chatas, nos incomodam, até mesmo dão desgosto, num trabalho que pode ser considerado dos sonhos.

A relação de felicidade deve estar atrelada a conquista e satisfação pelo que se faz e não necessariamente pelo amor pelo que se faz.

Assim, resolver algo que importa, faz você feliz.

Já parou pra pensar naquela ação de grande valor econômico que você ganhou e permitiu conquistar um sonho? Seja um carro, uma casa, ou até mesmo algo junto a quem você ama?

E porque esta ação tem um gosto bom, mas efêmero, enquanto na roda de amigos, para todas as pessoas você conta aquela ação que mesmo não ganhando nada ou muito pouco, você conquistou para o seu cliente uma casa, um valor indenizatório justo, uma reparação depois de um acidente?

Porque dinheiro é consequência e não causa. Quando tem causa, importa.

Sei que vai ter gente dizendo: Mas sem dinheiro eu não consigo viver. Concordo, não temos como viver sem dinheiro. Mas, somente o dinheiro em si não irá ser o suficiente para dizer que é o trabalho dos sonhos.

E porque esta reflexão é importante?

Pela lógica.

Se você não está feliz com o que faz, fará com menos atenção, menos foco, menos vontade. Ao fazer com menos vontade, sente-se triste e acha que o trabalho é culpado disto. Daí troca o trabalho por outro que pague um pouco mais e mesmo assim, algum tempo depois, continua frustrado.

Frustrações, amor, se importar com algo não é algo externo. É interno. Está ligado aos nossos desejos, ambições, projetos, escolhas.

Amar a advocacia não quer dizer que será bem sucedido nela. Amar uma pessoa não quer dizer que ela vai amar você também. Agora, se importar em fazer algo pela sua profissão ou por uma pessoa pode fazer toda a diferença.

Qual a sua percepção da sua profissão hoje?

Quais diferenciais você se importa na equipe e nos projetos que participa?

Onde está o amor que diz que tem está também a importância da sua mente, coração e alma?

Caso contrário, amor sozinho não sustenta nem relacionamento, nem profissão.

Afinal, dizem que por amor até se mata… Mas, se realmente se importa por algo, sequer colherá a flor do jardim, por saber que ela lá é viva e florida, enquanto na sua mão será apenas um objeto de desejo passageiro.

Importe-se com aquilo que faz o seu coração pulsar. Balize isto com a razão, conhecimento e lógica. Dinheiro e sucesso virão atrás.

 

Imagem: Flickr.com/MarylandGovPics

Informações do Autor

Gustavo Rocha

Ainda sem descrição

2 Comments
  1. Marina

    20 de novembro de 2016 de 23:15

    Interessante.

  2. Lopes

    19 de outubro de 2016 de 11:00

    Interessante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *