O que fazer quando nada der certo no filme, no amor e na vida?

“Nesta comédia romântica, todos os personagens centrais são perdedores: Dan (Mark Ruffalo) é um produtor musical falido e pai divorciado, Gretta (Keira Knightley) levou um fora do namorado, Steve (James Corden) é um talentoso músico que vive das moedas que ganha na rua, Violet (Hailee Steinfeld) é uma adolescente pouco popular e ignorada pelos garotos da escola, sua mãe, Miriam (Catherine Keener) apostou tudo em uma paixão fugaz que não vingou. Mas ao contrário das grandes comédias de Hollywood, a ideia não é fazer com que se tornem famosos e vencedores, e sim garantir que encontrem satisfação na vida que têm. Esta é a primeira e bem-vinda originalidade do filme “Mesmo Se Nada Der Certo…”

Esse é um trecho da crítica de um filme que tem ingredientes bem misturados: música, letra, relacionamentos, cotidiano, filhos. E o legal é que não é uma comédia romântica cheias de clichês. São vários fracassados que se juntam.

É como estar num aeroporto, dentro do avião, onde você é o piloto. Primeiro checa a aeronave. Depois ela é levada por um carrinho (estranho, mas aviões não tem marcha ré) até a direção que precisam seguir. Em seguida, o normal seria taxiar e voar. Acontece que alguns aviões desse aeroporto chamado vida tentam alcançar as nuvens, mas permanecem presos ao solo.

Querem decolar, mas apenas se movimentam até embicarem na pista. Aceleram o motor ao máximo antes de se arriscarem a subir – esta apavorante e emocionante sensação da decolagem -,  mas não saem do lugar. Não soltam as amarras da aeronave da vida. Ou, se soltam, o motor morre, a torre manda voltar, a chuva cai forte. Parece que tudo conspira contra, mesmo com você a favor, autoestima em dia, tudo em cima. Mas você fica lá embaixo. Parece que a coisa vai e… nada.

Pode-se viver assim por dias, anos, ou uma vida inteira. O que fazer? Chega uma hora que não tem como escapar dessa alfinetada. A questão demanda uma decisão às vezes urgente. A maioria das pessoas, em algum instante da vida, chega a esse dilema “o que eu faço agora?”. Mas essa mesma maioria estagna, empaca, fica catatônica, sem saber o que fazer.

Realmente se trata de uma sinuca de bico. Ver os outros aviões decolarem. E o seu? Neca de pitibiriba. Junto com outros fracassados, gira na pista indefinidamente. Fica tonto, não sabe mais se é isto que deseja, mas acha que na verdade é. Se perde rodando e rodando.

A resposta para a questão é de foro íntimo. Cada um sabe ou não da sua. Tem gente que vai ficar na dúvida até o fim. Outros vão desistir e partir para algo que os faça pelo menos alçar um voo baixo.

Por fim, os corajosos, teimosos, loucos, seja como for, vão continuar taxiando. E quem sabe, como no filme, façam amizade com outros fracassados que não decolaram e… vai que? De qualquer forma, mesmo se nada der certo, vão prosseguir até terminar o combustível. E quando isto acontecer, finalmente eles irão voar.

Imagem: Cory Hatchel

Informações do Autor

Mauro Barbosa Gomes

- Escritor, palestrante e músico da banda Quinta Nota. - Dois livros de crônicas/contos: A Chave do Seu Coração e Olhares. - Faz eventos promocionais com palestras e música em livrarias e Cafés. - Participação na Bienal Internacional do Livro 2016 no Anhembi São Paulo com tarde de autógrafos para “Olhares” , publicado pela Chiado Editora. - Integra a Antologia Poética Além do Céu Além do Mar que reúne poesias de vários autores Brasileiros em 2017. - Autor do Projeto literário Musical "O Tom da Letra" levado há dois anos em bares, restaurantes, etc. - Cronista por dez anos da revista eletrônica InfoWebNews (www.infowebnews.com) - 2001 a 2011 - Dois trabalhos publicados em Antologias literárias vencedoras do Prêmio Porto Seguro de Crônicas em 2008 e de Contos em 2009 - Dois contos selecionados para a Antologia de Contos 2009 do concurso da Editora Guemanisse, em Teresópolis. - Curso de Oficina Literária Afrânio Coutinho (OLAC) – 1992 - Curso de Redação Publicitária - 1987 (Faculdades Integradas Hélio Alonso) Gosto de falar de relacionamentos, cotidiano, a vida em geral.

6 Comments
  1. Francisco

    12 de fevereiro de 2017 de 11:30

    Interessante observações sobre o assunto do cotidiano que não percebemos. Muito bom!

  2. Fátima V.

    10 de fevereiro de 2017 de 06:56

    Sucesso e fracasso são dogmas daquele mundo “modinha de sempre” que hoje atende pela alcunha de “empreendedorismo”.
    Pitty tem razão quando canta:
    “Vive tão disperso,
    Olha pros lados demais
    Não vê que o futuro é você quem faz
    Porque o fracasso lhe subiu a cabeça”

    • Mauro Barbosa Gomes

      Mauro Barbosa Gomes

      11 de fevereiro de 2017 de 09:12

      Sempre perspicaz e sábia Por essas e outras te admiro tanto. Expectante alegria em lê-la aqui ou acolá. E finamente ei-la. Abs saudosos amiga das letras, da vida.

  3. Paulo Bonato

    8 de fevereiro de 2017 de 10:44

    Eu já li muitas crônicas escritas pelo Mauro Barbosa, e em todas elas tem um fundo de reflexão sobre a vida, mas esta eu gostei muito, se aproxima bastante da vida real de muitas pessoas, é um caso a pensar até sobre a nossa própria vida, será que estamos caminhando certos ou ainda não percebemos se estamos rodando no mesmo lugar , é um caso a refletir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *