Neurolinguística – o estudo na prática

O estudo da Neurolinguística, bem como suas aplicações, tanto no campo profissional quanto no pessoal, vem se consagrando cada vez mais, e ganhando reconhecimento, entre as relações humanas.

No campo profissional, na prática, pode auxiliar bastante em momentos de negociação, e nos relacionamentos interpessoais de um modo geral, tais como, no aperfeiçoamento das apresentações verbal e corporal, melhorando-se a comunicação, sabendo-se utilizá-la de forma mais estratégica, técnica e consciente. Neste contexto, pode facilitar nos relacionamentos com clientes e, tão logo, nos resultados empresariais.
Já, no campo pessoal, é uma ferramenta muito útil para o autoconhecimento e para auto-motivação, e para se reconhecer pessoas e situações. Também nos orienta em processos de mudança, de metas e de objetivos individuais.
Neste caso, para metas e objetivos, é importante ressaltar que o estudo não traz soluções, mas sim, sugestões de caminhos para se obter a mudança desejada. Mas, a mudança sempre começa dentro de cada um, que aceita e se propõe a praticar tais técnicas. Ou seja, a Neurolinguística não é um fim, mas sim um meio.

Com base em comprovações cientificas, o estudo tem mostrado sua eficácia, na medida em que os especialistas no assunto conseguem aprimorar e apresentar de forma mais clara e objetiva suas características e benefícios.
Dentro dos tópicos relacionados destacam-se, de forma prática, os seguintes conceitos e definições, tanto para o uso profissional quanto para o pessoal:

– Linguagem verbal: tom, velocidade e volume de voz; conteúdos e expressões-chaves, emitidos pelo cérebro conscientemente.

– Linguagem corporal: aprimoramento dos sentidos humanos (tato, visão, paladar, audição, olfato) e, ainda, postura, aparência, atitude, dentre outros aspectos expressados pelo corpo que são reflexos, emitidos pelo cérebro, consciente e inconscientemente.

– Postura congruente: harmonia entre a linguagem verbal e a corporal, e uma melhor percepção sobre pessoas e ambientes, ou seja, sobre a postura congruente do receptor e de lugares e situações.

– Rapport ( Relacionamento): forte congruência, verbal e corporal, consciente ou inconsciente, entre emissor e receptor;

– As 3 ecologias; pessoal, social e ambiental ( harmonia vital);

– Hipnose Erickssoniana (hipnose de Milton Ericksson, auto-hipnose, relaxamento, aprofundamento no inconsciente, tornar o inconsciente consciente).

– Alinhamento dos níveis neurológicos (pilares da mudança para as metas e os objetivos): ambiente, comportamento, capacidade, crença, identidade e espiritualidade.

– Mente consciente: muito do que pensamos, sentimos e desejamos produz resultados físicos, desde nossas reações corporais até os mais despercebidos resultados psicossomáticos.

Sobretudo, com base nestas considerações, é importante ressaltar que, em um processo de comunicação, nosso corpo diz mais ao nosso receptor do que nossas palavras.

Por estas e outras razões, a Neurolinguística é uma ferramenta eficaz tanto no processo de autoconhecimento, quanto na identificação de pessoas, nos auxiliando, através de suas técnicas, a reconhecermos sentimentos, desejos, necessidades, ansiedades, pontos fortes e fracos, nossos, de nossos clientes, ou de outros receptores, de um modo geral.

Informações do Autor

Daniel Lascani

Ainda sem descrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *