A origem da Caipirinha: quem teve essa ideia maravilhosa?

Não sei você, mas eu, quando leio a palavra “caipirinha”, já penso logo naquela versão gringa, com o R enrolado (“caipiRinha”, sabe?), que sai quando um estrangeiro ouve falar em bebidas por aqui, ou quando alguém em qualquer outro país ouve falar do Brasil. É que o drink já ultrapassou fronteiras e oceanos e levou um pouco da tropicalidade brasileira para diversos lugares do mundo – o que antes era presença exclusiva de churrascos e feijoadas, agora virou um hit de barzinhos pra lá de descolados.

Mas, você sabe quem teve essa ideia maravilhosa? Reza a lenda que a bebida surgiu em Piracicaba, no Estado de São Paulo, no início do século XX. Nessa época, misturava-se cachaça, limão, mel e alho para amenizar os efeitos da Gripe Espanhola. Depois, quando o alho e o mel saíram de cena, o gelo entrou para refrescar o calor e o açúcar para adoçar a mistura. Já o nome “caipirinha” seria uma alusão ao fato de a bebida ter origem no interior do Estado.

Outra versão da história tem menos interioranos e mais marinheiros, mas também atribui a doenças o surgimento da mistura – segundo ela, a caipirinha teria sido inventada pelas tripulações de navios estrangeiros que atracavam no porto de Paraty. Quando chegavam, eles ingeriam cachaça com limão para prevenir o escorbuto, doença causada pela falta de Vitamina C no organismo que era muito comum após longos meses no mar.

Independente da origem, a consagração veio mesmo com o Decreto nº 6,871/2009: “a bebida com graduação alcoólica de quinze a trinta e seis por cento em volume, a vinte graus Celsius, elaborada com cachaça, limão e açúcar, poderá ser denominada de caipirinha (bebida típica do Brasil), facultada a adição de água para a padronização da graduação alcoólica e de aditivos“.

Agora que você já tem a receita certa, é só esperar chegar o final de semana! 🙂

 

Crédito foto: Flickr.com/MarkJohnson

 

 

Informações do Autor

Bruna Borgheti

Jornalista formada pelo Bom Jesus/Ielusc, de Joinville-SC, é acadêmica do curso de Letras da UniCesumar. À frente da redação das publicações do Grupo Dom7, faz a edição e curadoria de conteúdo do site e já teve suas aventuras pelo mundo corporativo, mas gosta mesmo é de um documento de Word em branco. Tem sugestões pra dar? É ela que você está procurando. Entre em contato pelo [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *