NO PAIN, MORE GAIN: crescimento pessoal não precisa ser doloroso

De quando em quando, ressurgem as teorias e métodos para desenvolvimento profissional que enaltecem o “sofrimento” ou um método doloroso como melhor caminho para a evolução. É o famoso “no pain, no gain”.

Nem sempre é evidente. Muitas vezes o sofrimento, nessas abordagens, está disfarçado de “superar desafios” ou “enfrentar perdas”, substituído pelo eufemismo “sair da zona de conforto” ou, simplesmente, vencer as dificuldades.

A ideia central é a de que, ao enfrentarmos situações difíceis, nos modificamos positivamente.

Na realidade, qualquer vivência extraordinária, fora do comum, é modificadora.

O novo renova, e há explicações científicas para isso.

De um lado, a neurociência vem comprovando que a inteligência não depende da quantidade de neurônios, mas do número de conexões entre eles, resultantes dos estímulos que recebemos. Essas conexões são chamadas de sinapses. Novas vivências criam novas sinapses, novos “caminhos” em nosso cérebro. Expandem nossa consciência e modificam a maneira pela qual percebemos e interagimos com o mundo.

De outro, a psicologia aponta que as vivências ajudam a construir nosso repertório sensorial e cognitivo, não só no nível consciente.

E desde Wilhelm Reich, psicólogo alemão que na década de 1930 desenvolveu o conceito de somatização, também passamos a aceitar que novas vivências corporais mobilizam energias transformadoras.

Nada disso é novidade para algumas culturas orientais, que há milhares de anos aceitam a vivência como o melhor caminho para o aprendizado.

Mas é importante ressaltar que a vivência renovadora não precisa ser desagradável.

Basta ser nova e significativa.

Uma vez que podemos escolher os caminhos para nosso desenvolvimento pessoal, por que não incluir vivências prazerosas no roteiro?

A pior coisa que pode acontecer é você apenas se divertir.

Fica a sugestão para o pessoal de Recursos Humanos. Já que o dia a dia nas empresas anda suficientemente “desafiador”, que tal incluir um pouco de prazer nos treinamentos?

Flávio Ferrari

Informações do Autor

Bruna Borgheti

Jornalista formada pelo Bom Jesus/Ielusc, de Joinville-SC, é acadêmica do curso de Letras da UniCesumar. À frente da redação das publicações do Grupo Dom7, faz a edição e curadoria de conteúdo do site e já teve suas aventuras pelo mundo corporativo, mas gosta mesmo é de um documento de Word em branco. Tem sugestões pra dar? É ela que você está procurando. Entre em contato pelo [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *