Parcimônia: adote esse conceito na sua vida e viva melhor

Ultimamente a palavra parcimônia tem sido muito usada na mídia para revelar e criticar a maneira inadequada como alguns de nossos políticos têm usado as aeronaves do governo para viagens com objetivos pessoais e, em alguns casos, levando seus familiares e amigos.

Justificativas à parte, falta nesses e em outros casos a parcimônia ou “use com moderação”, um conceito que deveria ser aprendido e aplicado em tudo na nossa vida pessoal e profissional. É certo que muitos aprendem ao longo da vida, no seu dia a dia, observando comportamentos e atitudes, mas, para mim, esse conceito fica melhor se aprendido desde a infância.

Certamente você se lembra de ter ouvido a sua mãe dizer “porque você deixou a torneira aberta?” “não fique debaixo do chuveiro tanto tempo” “não precisa apertar a pasta de dente à toa” “não deixe a luz acesa” “desligue essa televisão” “não deixe comida no prato” e outras tantas coisas desse tipo, não é verdade?

Também na sua fase de adolescente deve ter ouvido “porque você comprou três pares de sapatos da mesma cor?” “nossa! Porque você usou tanto crédito no seu celular?” ou ainda “desse jeito você acaba nos levando à falência com tanto gasto no seu cartão de crédito!”. E acabava ouvindo o alerta final “aprenda a controlar os seus gastos senão…”. Pode ser que você ouça esses comentários ainda atualmente.

Considere-se uma pessoa privilegiada se teve a oportunidade de ouvir esses comentários. Ao aprender uma lição preciosa para a sua vida pessoal acabou também lições importantes para a sua vida profissional e assim terá menos chances de cometer determinados erros que se vê frequentemente no mundo corporativo.

Usar com moderação é superimportante na vida corporativa. Veja alguns exemplos.

Não é porque “a empresa paga todos os seus gastos no cartão de crédito” que você pode se sentir no direito de esbanjar. Gaste com moderação quanto for almoçar, por exemplo. Ao invés de frequentar restaurantes com preços mais salgados, porque são mais sofisticados e conhecidos, procure lugares com preços mais acessíveis, e deixe os restaurantes mais caros para quando tiver uma reunião especial com um cliente ou fornecedor.

Também, se a empresa lhe fornece um carro, por exemplo, você deve usá-lo apenas para o desempenho de suas funções e de maneira moderada e adequada. Usar o veículo da empresa no final de semana para uma viagem particular ou emprestá-lo para uma pessoa conhecida para que ele a use para fins particulares não é uma boa prática.

No dia a dia é a mesma coisa. Um profissional desavisado pode até mesmo comprometer os resultados da empresa por praticar pequenos erros que ele ache insignificante. Nesse caso lembro bem de um alerta que tivemos em uma empresa para evitar ligações telefônicas demoradas e desnecessárias. “Lembrem-se” dizia o nosso presidente, “ao fazer uma ligação desnecessária e demorada para o exterior vocês podem estar desperdiçando o equivalente ao lucro de um de nossos produtos, já que a rentabilidade dele é bem pequena”.

Assim, uma pessoa que tenha aprendido esse conceito de parcimônia terá aprendido o suficiente para não cometer erros quando estiver em uma posição de comando em uma empresa, pois saberá orientar cada colaborador de sua empresa sobre os gastos que devem ser evitados por serem desnecessários. Ao lidar com outras situações, por exemplo, com promoções ou aumento de salários de seus subordinados ele saberá dar a remuneração que cada um merece de acordo com os resultados que apresentar.
Portanto, parcimônia, use tudo com moderação.

Crédito foto: freedigitalphotos.net/stockimages

Informações do Autor

Nelson Fukuyama

Ainda sem descrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *