Pré-conceitos, espelho social e profecia auto-realizável

Escrever um texto com esse título é estranho, não é? Creio que é difícil imaginar o que ele aborda.

Mas por incrível que pareça, essas coisas tem relação entre si.

Para entender, é importante percebermos que os resultados que nós alcançamos são afetados pelas nossas ações que, invariavelmente, são influenciadas pelos nossos paradigmas. Em outras palavras, a forma em que vemos as coisas, determina como as faremos, impactando os resultados que obtemos.

 

Percebe-se que tudo começa pelo “ver”.

Essa regra, apesar de simples, explica uma série de coisas que se resumem em uma frase: “As mudanças de comportamento, antes precisam da mudança de pensamento”.

 

Esses são apenas alguns poucos exemplos dessa regra funcionando:

  • A ação só será consistente se for precedida de motivos bem avaliados (motivo + ação = motivação);
  • O líder influenciará melhor sua equipe se em vez de apenas dizer o que precisa fazer, explicar os objetivos daquela ação;
  • Será mais fácil alcançar um propósito se antes crermos que somos capazes de fazê-lo.

É nesse ponto que entram os pré-conceitos ou paradigmas. Os pré-conceitos são muito comuns em nossa mente. Muitas vezes avaliamos uma situação ou alguém antes mesmo de termos a informação completa e verdadeira.

Os pré-conceitos muitas vezes podem nos limitar. Se acharmos que não somos capazes, normalmente desistimos de tentar. Se crermos que algo não é bom, dificilmente enxergaremos algo positivo. Se fizermos a leitura negativa de alguém por causa da opinião dos outros, teremos dificuldades em nos relacionar com ela.

Tudo isso tem relação com um conceito poderoso chamado espelho social. O espelho social é uma forma de explicar o modo como vemos a nós mesmos, espelhando-se na maneira que os outros refletem suas percepções, opiniões e paradigmas a nosso respeito através de suas palavras e comportamentos.

A partir do espelho social, formamos imagens e julgamentos sobre nós mesmos. Por ser um reflexo das nossas memórias e como os outros nos vêem, como freqüência ele é impreciso e limitador.

Questionar nossos pré-conceitos é uma forma de quebrar o espelho social. Nosso real potencial pode ser mais bem delineado a partir de nossas capacidades de autoconsciência, imaginação, consciência e vontade independente.

Mas também precisamos questionar as percepções que temos das outras pessoas, pois isso influencia a maneira que as tratamos. Por exemplo, se achamos que alguém é incapaz, podemos nos mostrar excessivamente protetores. Temendo o fracasso dessa pessoa, podemos acabar negando a ela a ela as oportunidades que damos livremente àqueles que percebemos como capazes. Por outro lado, se achamos que alguém tem potencial podemos tender a desafiá-las.

O modo como tratamos os outros influencia o comportamento e o desempenho deles. E elas podem se transformar naquilo que acreditamos que elas são. Denominamos isso de profecia auto-realizável.

Enfim, se o que acreditamos sobre nós e os outros influencia a auto-percepção, o comportamento e o desempenho. Portanto: Cuidado com o que você pensa!

Marcelo de Elias é consultor especializado em estratégia e gestão de pessoas. É professor de MBA e coautor do livro Ser Mais em Gestão de Pessoas.

Informações do Autor

Marcelo de Elias

Palestrante, professor e escritor especialista em mudanças e em gestão de pessoas. Suas palestras estão entre as mais bem avaliadas do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *