Servir ou auxiliar? Reflexões sobre a crise de 2008

Na contramão do que aconteceu nos países desenvolvidos, onde as empresas enxugaram radicalmente seus quadros de colaboradores e apostaram no aumento da produtividade, na tentativa de superarem a crise de 2008, ou melhor dizendo, o tsunami que os abateu a partir daquele ano, no Brasil o quadro corporativo não foi alterado pela mesma filosofia, pois a aposta local se resumiu na crença de que a severa escassez econômica não era problema nosso e, por aqui, não passaria de uma marolinha.

A tese central dos países âncoras da Europa e dos EUA era de que somente um novo regime de trabalho, mais concentrado e eficiente reorganizaria a economia e, assim, poderia evitar o pior no médio e longo prazo.Portanto, a nova realidade exigiu um profissional melhor capacitado e multifuncional, capaz de manter o mesmoritmo de produção anterior, em equipe reduzida. Dolorosamente houve muitas demissões, o que refletiu negativamenteno imaginário popular, com as consequências que acompanhamos até hoje pelos jornais.

No entanto, aos poucos a crise internacional vai sendo superada, mostrando o acerto da medida, e os países que apostaram na eficiência estão se destacando na dianteira do processo, como Alemanha e o próprio EUA.Enquanto isso, o Brasil, em sua dinâmica empresarial, não saiu do estereótipo representado pela velha piada do português, que precisa de cinco homens para trocar uma lâmpada. Um para segurar a lâmpada e quatro para virara escada. A crença na marolinha, somada à baixa qualificação profissional, mais os absurdos intervencionistasdo governo, levou o país à vanguarda do retrocesso no quesito competitividade.

Como isso reflete no dia a dia da pequena e média empresa? O patrão, devido a uma cultura de baixo desempenho,não consegue ou tem receio de descentralizar os serviços. Quando o faz, a autonomia do empregado érelativa, porque no fundo ele não acredita na eficiência do sua própria equipe para solucionar os problemas. Ouseja, ele quer um empregado que o auxilie, mais do que um profissional que resolva. Por outro lado, o mesmoempregado não está mesmo capacitado para resolver e, para não desagradar ao patrão, torna-se apenas umservidor, que só faz quando acionado, sem livre iniciativa para se antecipar às questões.

Cria-se um circulo vicioso insolúvel. Aquelas pessoas contratadas para enfrentar os problemas, tornam-semeras cumpridoras de ordens. Nesse caso, se o patrão não estiver por perto, nem a rotina designada no início dacontratação será feita. A superação desse impasse é a mudança de cultura empresarial e a formação profissionalpara que se entenda o que os americanos e europeus fizeram de fato diante de uma crise sórdida: apostaram naeficiência e na produtividade. De nada adianta manter a filosofia de coronel de antigamente, que gosta mesmo éde serviçais. Este é o caminho mais curto para que a crise que está nos atingindo agora se alastre e a marolinhatorne-se um tsunami. Tínhamos tudo para superá-la, mas ao invés de nos inspirarmos nos alemães e nos americanos,preferimos a graça da piada de português.

RELATED ITEMS
Informações do Autor

Alessandro Natal

Ainda sem descrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *