4 dicas essenciais para organizar suas finanças em tempos de crise

Quando o assunto é crise financeira nos vem à cabeça um quadro geral e muito distante do assunto. Esse pensamento pode nos levar a erros básicos e comprometer nossa renda, uma vez que tempos difíceis atingem a todos. Principalmente quando lidamos com uma economia em crise, a inflação no maior nível desde 2004 e juros em alta, evitar o acúmulo de dívidas é necessário para manter uma boa saúde financeira pessoal e familiar. É preciso ter em mente o que realmente importa nesses momentos para otimizar seus gastos e equilibrar suas finanças, sofrendo menos e não deixando nenhuma área da sua vida esquecida ou desprovida de capital.

O que fazer para ter uma vida financeira administrável?

Primeiramente deve-se analisar de forma bem realista o orçamento mensal familiar e também o pessoal, uma vez que administrar as finanças de uma família é bem diferente do que administrar a renda de uma pessoa solteira.

É importante criar níveis de importância em nossas finanças. Devemos literalmente fazer o dever de casa, colocar no papel todos os ganhos e gastos para sabermos quais realmente são nossas prioridades. Esse processo pode ser demorado e lento, então o faça sem pressa, com muito foco e interesse. Se tiver dificuldades em se organizar, procure ajuda, pois nem todos têm esta facilidade e então acabam caindo nas armadilhas econômicas do dia-a-dia.

Toda a família pode e deve participar

Converse abertamente com sua família sobre as condições financeiras em que se encontram. As pessoas evitam conversar sobre dinheiro para não haver brigas em família e só acabam revelando que estão endividadas quando a situação está muito difícil. As finanças da casa não devem ser discutidas apenas por marido e mulher, mas também por todos os participantes da família. Se há crianças e adolescentes, esses também devem ser envolvidos no orçamento familiar. É muito melhor que as crianças sejam ensinadas a economizar e dar valor ao dinheiro desde pequenas, e não apenas se a família passar por um aperto financeiro.

Após conhecer nossas prioridades é importante evitar dívidas desnecessárias ou que comprometam grande parte dos ganhos. Economize nas contas de consumo e avalie se há gastos desnecessários de água, energia elétrica, gás, internet. Se precisar, refaça os pacotes ou até mesmo promova cortes.
Verifique quais são os seus gastos mensais inevitáveis, tais como aluguel, alimentação, educação, financiamentos e mensalidades. Calcule as receitas menos as despesas e veja qual é o saldo. Se o saldo for positivo, o principal destino deve ser a aplicação em algum investimento. Ter uma reserva financeira para emergências é essencial para a garantia da tranquilidade das finanças da família, ainda mais em tempos de economia ruim. Porém, se o saldo for negativo, a meta deve ser pagar essa dívida ao menor custo possível, de preferência através de renegociações.

Evite fazer longas dívidas e de elevado valor agregado

Dívidas que resultam em patrimônios materiais ou intelectuais tais como casa própria, apartamento, um terreno, faculdade, tecnólogo ou ensino técnico, são vistos como investimentos e são essenciais. O problema é o superendividamento, quando comprometemos mais de 30% das nossas rendas com dívidas. Pior ainda quando esse endividamento ocorre pela compra de produtos consumíveis sem necessidade.
Lembre-se que a pior dívida é feita com gastos desnecessários, aquela dívida que você nem sabe de onde veio por ter comprado em demasia ou com algo que você não precisava.

Saiba como e quando comprar

Avalie a necessidade da compra, veja se a compra que você está prestes a fazer é realmente necessária ou é apenas um supérfluo. Faça uma pausa para refletir antes de concretizá-la. Combata compras por impulso, saia de casa só com dinheiro vivo na carteira. Isso obrigará você a pensar se realmente precisa efetuar determinadas compras. Busque descontos, verifique preços e produtos ou serviços alternativos usando a internet ou visitando lojas. Nas compras via internet, é preciso avaliar os fornecedores, prazo e taxas de entrega e qualidade dos produtos.
Entenda as condições de pagamento (preço à vista x financiamento); prestações fixas e taxas de financiamento devem ser analisadas cuidadosamente, para avaliar qual condição é a mais vantajosa para o seu caso.

Nas suas finanças, pequenas atitudes geram grandes resultados

Insira na rotina semanal o transporte público, permitindo a economia de combustível, estacionamento e até de multas de trânsito.
Diminua os gastos com alimentação – você sabia que cerca de 25% do orçamento é destinado a ela? Use a criatividade para montar um cardápio atraente e nutritivo gastando pouco e evitando desperdícios. Diminua, também, o número de refeições feitas em restaurantes. Leve comida, lanches e frutas de casa. Além de ser mais saudável, a comida caseira não compromete sua renda, pois já está diretamente associada aos seus gastos mensais inevitáveis.

É difícil mudar alguns hábitos e não é fácil abrir mão de certos confortos e mimos, mas se conseguirmos colocar algumas dessas dicas em prática será menos difícil balancearmos nossas finanças e termos uma vida financeira mais equilibrada.

Imagem: kizzzbeth

Informações do Autor

Natan Rufino

Nascido em São Paulo, criado no Rio de Janeiro, estudante de jornalismo. Acredito que a informação e o conhecimento mudam a vida das pessoas. Jornalismo, Cinema e viagens são algumas de minhas paixões.

2 Comments
  1. Fabio Melo

    8 de novembro de 2016 de 14:32

    Texto muito inteligente,onde retrata a realidade de muitos brasileiros e confesso que é minha realidade, nos faz refletir aonde esta indo nosso dinheiro que na maioria das vezes gastamos por impulso e depois nem percebemos onde foi esse gasto, e deixamos criar uma bola de neve , acabando assim com restrições em nosso nome e tendo que recorrer aos acordos para sanar nossas dividas. Parabens Natan Rufino pelo texto , claro ,objetivo e inteligente, muito sucesso pra você.

  2. marcio rufino jr

    21 de outubro de 2016 de 11:25

    Saibas sabe as palavras deste cidadão faço delas as minhas gostaria também de acrescentar que como um ensinamento que recebi é que a nossa família a nossa casa é como uma empresa e nós somos administradores e em hipótese nenhuma devemos deixar que essa empresa quebre ou declara falência por isso devemos ser responsáveis quanto aos gaste quanto ao consumo e não ser consumistas por excesso e sim saber multiplicar a renda e toda a fazenda de nossas casas Obrigado pelas tuas palavras meu grande amigo irmão que Deus te abençoe e multiplique sobre a sua vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *