Todo os dias temos que tomar decisões em todas as áreas da nossa vida. A maioria delas ou nos leva ao caminho do sucesso ou nos aproxima do fracasso.

Por exemplo: se você tem um treinamento que a empresa ofereceu num domingo, e você diz NÃO, sem qualquer razão justificável, para qual direção está indo em relação à sua carreira? Sucesso ou fracasso?

Se você é convidado por seu filho a bater uma bolinha com ele, porém, decide sair com seus amigos, está indo para qual direção em relação ao seu papel como pai? Se sua filha pede para lhe dê dicas de como usar maquiagem, mas recebe um sermão desnecessário de que é muito jovem para pensar nisso, qual a direção em que caminha seu papel como mãe?

O tempo todo precisamos decidir se queremos sucesso ou fracasso. Tenho visto infelizmente que a taxa de conversão de decisões em favor do sucesso é menor do que a taxa na direção do fracasso.

Colaboradores que só fazem o mínimo para o que foram contratados. Pais que não brincam com seus filhos e se recusam a ajudá-los nas tarefas da escola, sendo apenas um saco de regras e sermões, sem jamais penetrarem na criança que os filhos precisam que sejam. Maridos e mulheres que não se elogiam, tornando a união completamente insossa e pisando fundo no acelerador em direção ao fracasso da relação.

Professores que se recusam a entender seus alunos, a irem além do pó de giz e do quadro negro, e aí perdem a oportunidade de tirar do giz mais que pó, e do quadro mais que regras trigonométricas e ortográficas. Sim, ganham pouco, porém, fizeram escolhas e precisam lutar pelos seus direitos, sem deixar de lado o direito de um aluno de receber boa educação curricular e ganharem belos golpes de Inteligência para a vida.

Alunos que o tempo todo chamam o fracasso como companheiro quando desrespeitam o professor, quando preferem as conversas, as fugas da sala, os barzinhos da esquina, e não a sabedoria do professor que mesmo recebendo bem menos do que merece se empenha em dar o seu melhor.

Cada dia vamos delineando o que queremos para nossa vida, sem prestarmos atenção que toda decisão pode abrir tanto a porta do sucesso como a do fracasso.

Faça uma lista agora mesmo das decisões que tomou na última semana, em áreas como: profissional, relação conjugal, amigos e relacionamento paternal/maternal, e veja qual é a sua taxa de conversão em relação ao sucesso e ao fracasso.

Veja um exemplo: digamos que você liste 10 decisões importantes na área profissional, e notou que 4 delas foram na direção da porta do sucesso, e 6 na direção da porta do fracasso.

Seu resultado é:

TCS (taxa de conversão do sucesso) = 4/10 = 0,4 ou 40%

TCF (taxa de conversão do fracasso): 6/10 = 0,6 ou 60%.

 

Essas taxas devem ser calculadas no mínimo uma vez ao mês, sendo ideal que você consiga depois de um tempo tê-la diariamente.

Como está sua taxa de conversão?

Grande abraço, fique com Deus, sucesso e felicidades sempre!

Paulo Sérgio Buhrer

www.professorpaulosergio.com.br

Crédito foto: freedigitalphotos.net/ddpavumba

Informações do Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *