Pedagogia para o século XXI: como lidar com Teoria e Prática

Infelizmente é comum ouvirmos professores, mesmo na universidade, dizerem aos seus pobres alunos: “primeiro vou dar a teoria, sei que é chata, também não gosto, mas tenho que dar, depois iremos para a prática”. Professores desse (des)nível são verdadeiros mestres do ignorado, desvirtuando a próxima geração de pensadores e pesquisadores, propagando conhecimento que não condiz com uma nação desenvolvida e que precisa admirar e aprimorar-se nas Ciências, Técnicas e Artes. Esse procedimento não pode ser Pedagogia para o século XXI. Estamos muito longe do que preconizaram expoentes do setor, como Anísio Teixeira, Paulo Freire, Celso Furtado e Darcy Ribeiro.

 “O homem instruído, acostumado a percorrer e a comparar rapidamente um grande número de idéias e de sentimentos opostos, tira do contraste um resultado que constitui a base de sua conduta, desde então menos incerta e menos perigosa.” (Cesare Beccaria).

 Não existe técnica (ou prática) sem teoria. A técnica é o resultado do estudo para dominar a ciência (existem conhecimentos básicos mundialmente aceitos e consolidados). As técnicas variam porque os efeitos ou resultados podem ser escolhidos: um profissional ou escola de pensamento prefere o efeito “A”, outro escolhe o ” B”.   Mas a ciências e as técnicas nos possibilitam (ou exigem) que antecipadamente saibamos os efeitos possíveis (projetar possibilidades, não certezas) das medidas administrativas, contábeis e econômicas adotadas. Somente a prática não fornece ciência (conhecimento) ou capacidade aguçada para entendermos a natureza do negócios empresariais e sobre as possibilidades enfrentadas pelas organizações, esse é pensamento reinante nos países atrasados em que não se conseguiu fazer a interação entre ciência, técnica e profissionalismo.

“Se fazer fosse tão fácil quanto saber o que seria bom fazer, as capelas seriam igrejas, e as choupanas dos pobres, palácios de príncipes.” (Shakespeare).

É impossível imaginar um curso que prepara para o mercado de trabalho sem que este seja também, na medida exata, um curso teórico e generalista. Não existe prática sem teoria pois toda a prática existe primeiro na mente de quem a desenvolve e a pratica e, para pôr esse novo conhecimento prático à disposição do público, que é diverso e complexo, torna-se necessário desenvolver teorias que melhor expliquem essa prática.

 Não teorizar o que foi desenvolvido como prática é acabar com o a educação formal pela via da transmissão do conhecimento para as sociedades, o resultado será a educação pela tradição oral semelhante ao que experimentaram as sociedades primitivas.   Outro escárnio, é a propagação no meio estudantil, por parte de algumas instituições de ensino e aparentemente aceita de bom grado pelos alunos menos esclarecidos, de que é o aluno o responsável por “fazer” a Escola ou Universidade. O aluno cursa a Escola ou Universidade, não o contrário; é a Escola, em grande medida, que tem a missão civilizadora de instrução e educação.

 De modo geral, nossos estudantes ainda são meros receptáculos de dados e aceitam isso perfeitamente. É preciso saber transformar dados em informação e, é preciso pôr a informação no seu devido contexto, aqui residem as diferenças entre uma escola/universidade que forma os alunos, de outra que é “feita” por eles. A responsabilidade também está com Reitores, Diretores e Coordenadores. Frases de efeito ficam bem no Teatro e Cinema, não numa Casa do Saber.

O Homem não se corrompe pelo exercício da razão nem se purifica pela ignorância ou se justificará perante a História se viver as diversas situações da vida num determinado senso comum, senso comum como significado de viver na constância de uma mesmo conhecimento, não me refiro à opinião pública predominante sobre determinada matéria, somente.    Não existe evolução social, educacional, política e econômica, sem indivíduos críticos que têm a faculdade de incrementar, expor e avaliar a vida em sociedade.

Crédito foto: freedigitalphotos.net/photostock

Informações do Autor

Carlos Cesar D' Arienzo

Ainda sem descrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *