Empresômetro: O que ele diz sobre o fato de toda empresa ser igual

Semanalmente tenho o hábito de utilizar e acompanhar uma ferramenta tecnológica indispensável para consultores, gestores, administradores e outros profissionais, denominada Empresômetro. Tal ferramenta foi idealizada pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) que consiste num censo de empresas de todos os tipos jurídicos portadoras de CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) que se encontram em atividade no Brasil.

O último dado por mim pesquisado no Empresômetro, apontava aproximadamente 17 milhões de empresas ativas no Brasil, incluindo os microempreendedores individuais – MEI.

Diante deste dado, na imensidão de empresas espalhadas no nosso Brasil, eu pergunto a você leitor: Toda empresa é igual? Determinantemente não, cada empresa é única, com suas peculiaridades, negócios, culturas, seu modo de executar suas atividades e por aí em diante.

Mas o que realmente difere uma empresa de outra? A resposta convicta é a sua gestão, seu grau de maturidade de gestão!

Neste emaranhado e gigantesco número de empresas registradas, um grande desafio tem sido mostrar as pessoas que fazer gestão não é uma coisa difícil e que não é uma coisa que custe muito dinheiro.

Você pode até discordar de mim, mas como consultor, digo que, o custo da qualidade é numericamente menor que o custo da não qualidade, ou seja, o custo de uma empresa ter gestão é menor que do que o custo dela não ter. Fica mais “barato” fazer certo pela primeira vez do que refazer.

Para isso é fundamental que as pessoas mudem sua forma de pensar, que comecem a enxergar a empresa de uma maneira diferente. É aí que o fator gestão tem um papel importante neste sentido.

Conheci várias empresas que hoje já não mais existem, que já tiveram sucesso em algum momento, onde tinham produtos e serviços de qualidade. Mas o “hoje” revela que ter produto ou serviço de qualidade não garante perenidade de uma empresa. Isto é fato!

Portanto, não podemos pensar somente em produto e serviço, pois isso acaba sendo um pensamento muito limitador. Precisamos sim extrapolar as paredes da empresa, começar a enxergar outros personagens, como parceiros, colaboradores, contratados, fornecedores, clientes e sociedade.

É preciso levar um modelo de gestão para milhares dessas empresas, que infelizmente, insistem em seguir seus passos sem gestão, sem planejamento e com resultados negativos e imprevisíveis, que por muitas vezes as levam à falência.

Em vista disso, digo: Vamos transformar o Brasil pela Gestão!!!

Crédito imagem: http://www.freedigitalphotos.net/mapichai

RELATED ITEMS
Informações do Autor

Renato Chaves

Ainda sem descrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *