As coisas que sempre foram assim e uma reflexão de fim de ano

Uma das principais problemáticas empresariais é uma frase que muito ouvimos e poucas vezes mudamos: “As coisas sempre foram assim por aqui”.
Uma fábula exemplifica bem esta situação:
FÁBULA: OS MACACOS E AS BANANAS
Numa experiência científica, um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas.
Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e batiam muito nele.
Mas um tempo depois, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.
Então os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira atitude do novo morador foi subir a escada. Mas foi retirado pelos outros, que o surraram.
Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada.
Um segundo foi substituído e o mesmo ocorreu – tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo da surra ao novato.
Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto e, afinal, o último dos veteranos foi substituído.
Os cientistas, então, ficaram com o grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas. Se fosse possível perguntar a algum deles por que eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:
“Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui”.

E no universo empresarial: Colaborador entra na empresa, aprende o que já existe e não pensa. Parece um mantra… Faça somente o que foi dito que deve ser feito. Pensar, nem pensar!
Isto é válido? Claro que não!
Deveríamos incentivar a criatividade, o pensar, as ideias!!!
Obviamente, devemos ter regras, devemos ter ordem, todavia, cada ser humano tem capacidade de pensar, criar e dar sugestões diferentes daquilo que hoje existe.
Estimule a equipe a pensar. Crie caminhos para que possam falar e serem ouvidos. E não esqueça de quando falarem dar retorno. Afinal, de nada adianta criar mecanismos de comunicação que não dêem retorno.
Não aceite o bordão que sempre foi assim ou pior: Que deu certo até agora então melhor não mudar.
Se reinventar deve ser regra e não exceção!
E para tudo dar certo #MãosaObra!
____________________________________________________________________________
Artigo escrito por Gustavo Rocha
GustavoRocha.com– Consultoria em Gestão e Tecnologia Estratégicas
Celular/WhatsApp/Facebook Messenger: (51) 8163.3333
Contato Integrado: [email protected] [Email, Gtalk/HangOut, Twitter, LinkedIn, Facebook, Instagram, Youtube]
Web: http://www.gustavorocha.com

Crédito imagem: freedigitalphotos.net/tiverylucky

RELATED ITEMS
Informações do Autor

Gustavo Rocha

Ainda sem descrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvimento Pessoal

O filho e o pai

“Espera de teu filho o mesmo que fizeste a teu pai.” (Tales de Mileto) Tenho uma natureza minimalista. Talvez porque forjado pelas adversidades da vida e pela vocação para

mais   291